“Que minha boca cante a glória do Senhor” (Sl 144)

A canção cooperadores da missão, composta pelo seminarista Geisilan Barbosa dos Santos é o canto inicial do folheto “o dia do senhor” da Diocese de Colatina neste mês missionário. Inspirado pela experiência vocacional missionária em Manaus, e pelo retiro do início do ano assessorado pela irmã Regina da Costa Pedro (diretora nacional das POM) ele escreveu a canção e explica para nós como foi a composição.

COOPERADORES DA MISSÃO

Jesus nos convida a cooperar, na missão do Pai o criador, anunciar o evangelho para os povos, levar a sua luz o seu amor.

Venha cooperar nessa missão, venha cooperar com o Senhor,  venha anunciar a luz aos pobres, venha anunciar com muito amor. Venha cooperar nessa missão, venha cooperar com alegria, caminhando juntos como irmãos, como irmãos na paz e na harmonia.

Somos chamados a ser semeadores, e ir pelo mundo semear, espalhando as sementes sobre a terra, para em solo fértil germinar.

Venha cooperar nessa missão, venha cooperar com o Senhor, venha anunciar a luz aos pobres, venha anunciar com muito amor. Venha cooperar nessa missão, venha cooperar com alegria, caminhando juntos como irmãos, como irmãos na paz e na harmonia.

No batismo nós fomos enviados, o reino de Deus anunciar. Impulsionados pelo Espírito Santo, sem fronteiras para evangelizar.

Venha cooperar nessa missão, venha cooperar com o Senhor, venha anunciar a luz aos pobres, venha anunciar com muito amor. Venha cooperar nessa missão, sentindo nosso coração arder, lançando as sementes sobre a terra, deixando que Deus faça crescer.

A experiência vocacional missionária vivida em Manaus – AM, sem dúvida me transformou, na Amazônia vivi uma profunda experiência de Deus. Estando no processo formativo para o sacerdócio no seminário Maria Mãe da Igreja, tenho a oportunidade de conversar com muitas pessoas, de ouvir muitas pessoas, doutores, mestres em teologia, mas foi na Amazônia com pessoas muitos simples que tive a maior experiência de fé, experiência de Deus. E de alguma forma também pude transmitir Deus para aqueles irmãos e irmãs. “Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas a sábios e entendidos, e as revelastes aos pequeninos”. (Mt 11, 25)

Voltando da experiência missionária, ainda tive a graça de participar do retiro de início de ano assessorado pela Ir. Regina da Costa Pedro, que aprofundou a importância da missão em nosso processo formativo e na vida do cristão, com o tema: “Contemplar a missão de Deus para colaborar na missão de Deus” e foi nesse retiro que saíram os versos dessa canção.

O tema da missão tem sido algo evidente em nossa Igreja no Brasil, a missão tem deixado de ser compreendida como atividade, e passa a ser compreendida com essência. A compreensão missionaria vai além do fazer, além da atividade, a compreensão missionaria é ser, é essência.

A missão só existe porque Deus ama as pessoas, ela nasce do coração de Deus. Derivando-se da Trindade, ela é o amor de Deus Uno e trino que trasborda sobre toda a humanidade. A missão é de Deus, nós somos cooperadores (Missio Dei). Assim diz a Evangeli Gaudium: “Em qualquer forma de evangelização, o primado é sempre de Deus, que quis chamar-nos para cooperar com Ele e impelir-nos com a força do seu Espírito” (nº 12).

Jesus é a presença de Deus próximo, que se fez carne e habita entre nós (Jo 1, 14), para realizar o projeto salvífico. Assim como chamou Pedro, Mateus, Jesus vai convidando pelo caminho pessoas para juntos anunciarem o reino de Deus, para curar, libertar, perdoar, levar luz e amor. Por isso na canção temos: (Jesus nos convida a cooperar, na missão do Pai o criador, anunciar o evangelho para os povos, levar a sua luz o seu amor.)

Nesta grande Missão, ao qual fomos chamados temos sempre que nos colocar como meros instrumentos, deixar que Deus seja o centro, para assim anunciar a boa nova aos pobres (Lc 4, 18). Nessa caminhada não estamos sozinhos, por isso o Senhor envia dois a dois (Lc 10, 1), para um dar suporte ao outro, para que caminhemos juntos, anunciando com alegria. Em uma perspectiva sinodal, caminhar juntos, como nos pede o Papa Francisco, vivendo a fé no diálogo, na paz e na harmonia. (Venha cooperar nessa missão, venha cooperar com o Senhor, venha anunciar a luz aos pobres, venha anunciar com muito amor. Venha cooperar nessa missão, venha cooperar com alegria, caminhando juntos como irmãos, como irmãos na paz e na harmonia.)

Somos enviados, e o nosso anúncio deve chegar até todas as pessoas, mas muitos não acolhem o Evangelho, e refletindo a acolhida das pessoas em relação a Palavra, Jesus conta a parábola do semeador (Mt 13, 1- 9). A parábola do semeador nos ensina que essa semente que é lançada pelo semeador é o Evangelho, e assim como o semeador nós também devemos sair para “lançar essas sementes”. O Senhor mostra que neste caminho semeando, algumas sementes irão brotar e outras não. E é missão nossa espalhar essa semente em todos os lugares, para que em algum lugar ela germine e de frutos. Não semear somente no solo fértil, também semear onde não parece que vai frutificar, plantar em meio as pedras e espinhos e esperar em Deus. (Somos chamados a ser semeadores, e ir pelo mundo semear, espalhando as sementes sobre a terra, para em solo fértil germinar.)

Essa missão de anunciar o reino de Deus não é somente do bispo, padre, freiras, é missão de todos nós batizados. Todos nós batizados somos por natureza missionários, a missão é a identidade de nossa fé cristã, portanto devemos “anunciar Cristo a todos os povos” (Rm 3). Quem nos impulsiona nesse mandato evangélico “ide por todo mundo e pregai o evangelho a toda criatura” (Mc 16, 15) é o Espírito Santo, é Ele o protagonista da missão, nunca será possível haver evangelização sem a ação do Espírito Santo (EN 75). E a missão não tem fronteiras (missio ad gentes), somos testemunhas de Jesus até os confins da terra (At 1, 8). (No batismo nós fomos enviados, o reino de Deus anunciar. Impulsionados pelo Espírito Santo, sem fronteiras para evangelizar).

E por fim, o último verso do refrão final é diferente. Ele faz referência ao ano vocacional do Brasil, que tem por lema a passagem dos discípulos de Emaús, “corações ardentes; pés a caminho” (Lc 24, 32-33). É bom ouvir e falar de Jesus, por isso os corações ardem, e ao falar de Jesus, ao lançar essas sementes sobre a terra, o semeador como muito bem afirmou a Ir. Regina deve ter paciência, pode ser que a semente germine, e pode ser que não. Como está escrito em 1 Cor 3, 6 não importa quem plantou, ou quem regou, o importante é que Deus dá o Crescimento, é necessário deixar que Deus faça crescer. (Venha cooperar nessa missão, sentindo nosso coração arder, lançando as sementes sobre a terra, deixando que Deus faça crescer.)

Assim como Santa Terezinha do Menino Jesus, sejamos cooperadores na missão de Deus por meio da oração, rezando por todos os missionários. E como São Paulo saíamos anunciando o amor de Deus, pois “como poderão invocar aquele em quem não acreditaram? E como poderão acreditar naquele de quem não ouviram falar? E como poderão ouvir falar, se não houver alguém que o anuncie? E como o anunciarão, se não forem enviados? Como está escrito: “Como são belos os pés dos que anunciam boas notícias!” (Rm 10, 14-15)

Geisilan Barbosa dos Santos – Seminarista do 1º Ano de Teologia

Últimas postagens

A espiritualidade no cultivo da vocação

Veja também

1° Romaria Diocesana vocacional de coroinhas ao santuário Nossa Senhora da Saúde

Veja também

Férias de Julho: Pastoral, Formação e Recesso

Veja também

Vocação: Graça e Missão – “Corações ardentes, pés a caminho” (Lc 24,32-33)

Veja também
Ajude o Seminário